PM discute Política em reunião histórica

Oficiais do Alto Comando da Polícia Militar do Estado de São Paulo, policiais militares em exercício de mandato na Assembleia paulista e na Câmara Federal, presidentes de todas as associações de policiais militares – dentre eles o Cel PM Jorge Gonçalves, presidente da Diretoria Executiva da AOMESP – e 80 dos 114 vereadores, vice-prefeitos e prefeitos eleitos no ano passado, todos oriundos da Polícia Militar, participaram na manhã de hoje de uma reunião histórica na Sede do Copom, a convite do comandante-geral Cel PM Ricardo Gambaroni.

Reunião histórica pelo número de policiais militares que agora decidem os rumos de suas cidades nas câmaras e nas prefeituras. Histórica pelos temas tratados, todos de primeiro interesse dos policiais militares. E histórica porque, pela primeira vez, a Polícia Militar do Estado de São Paulo foi ostensiva ao tratar de assunto que até bem pouco tempo passava ao largo da quase totalidade de seus integrantes: Política.

Logo de início, o comandante-geral avisou que aquela seria uma “reunião de trabalho”. O objetivo era fazer um balanço das atividades do Comando em prol da Instituição e pedir apoio aos eleitos para conscientizar os munícipes a respeito do trabalho da Polícia Militar. O Cel Gambaroni disse que a PM tem batido recordes atrás de recordes nos indicadores de criminalidade, que caem mês após mês. “Temos os menores indicadores do país”, disse. Registram-se hoje, no Estado, 8,3 homicídios para cada grupo de 100 mil habitantes.

Antes de passar a palavra para os deputados, Gambaroni alertou que nas próximas eleições os policiais militares precisam eleger mais vereadores e deputados. Só assim será possível conseguir a melhoria do sistema e um tratamento justo ao policial militar.

 

O que vem por aí

O comandante-geral convidou à mesa os deputados federais Major Olímpio e Capitão Augusto, os deputados estaduais Cel Camilo e Cel Telhada, o Cel Meira, vereador mais votado em Bauru, e o Cb Wilson, presidente da CERPM – Coordenadoria de Entidades Representativas de Policiais Militares. Os deputados federais falaram dos dois grandes temas que estarão em foco no Congresso Nacional – a Reforma Previdenciária, que um dia vai afetar os policiais militares, e o PL 257, que trata da renegociação das dívidas dos Estados com a União. Os deputados estaduais deram conselhos aos eleitos. O presidente da CERPM falou da luta por reajuste salarial.

O Capitão Augusto disse que estava muito feliz por ver o engajamento político da Polícia Militar. O resultado das eleições, com 114 policiais militares eleitos, mostrou a força que a Instituição tem. No Brasil todo, mais de 500 policiais militares foram eleitos para cargos semelhantes. “Os policiais militares estão altamente politizados”, ressaltou. Essa consciência política deve render mais representantes nas casas legislativas, principalmente. Augusto afirmou que é possível eleger um senador no ano que vem, além de mais deputados.

Sobre a Reforma Previdenciária, o deputado afirmou que ela passará longe dos policiais militares este ano, já que o Congresso vai se debruçar sobre a reforma dos civis. E no ano que vem, em sua avaliação, a reforma tampouco será discutida já que será um ano eleitoral e o Congresso, por tradição (e pelo cuidado dos deputados e senadores com a própria imagem) não trata de temas polêmicos. A reforma da Previdência dos militares, portanto, ficará para a próxima legislatura, a partir de 2019. Daí a importância de se formar uma bancada mais expressiva de policiais militares no Congresso.

O Major Olímpio foi enfático ao afirmar que nada está resolvido na discussão do Projeto de Lei 257, que trata da renegociação da dívida dos Estados com a União e propõe medidas restritivas sérias aos direitos dos policiais militares. “Podemos ter surpresas na inclusão dos militares no PL 257”, alertou. Por isso, pediu a todos os eleitos que façam um levantamento dos deputados e senadores de sua região para pressioná-los a não votar contra os policiais militares. “Os políticos só têm medo de uma coisa, do voto”, afirmou.

Olímpio pediu aos vereadores que organizem audiências públicas em suas cidades para discutir e defender a Polícia Militar. Pediu que os vereadores e prefeitos fomentem a discussão. “O risco de perder nossos direitos nas votações do Congresso é permanente”, alertou. Por isso, quanto mais pressionados estiverem os deputados, pelos vereadores e prefeitos, menos eles se sentirão à vontade para votar contra a Polícia Militar.

 

Conselhos

O Cel Camilo disse aos eleitos que eles têm a grande missão de levar a palavra da Polícia Militar aonde ela não chega. “Temos que levar a PM para dentro da cidade de vocês”, disse. Para tanto, os eleitos devem utilizar a mídia local, devem homenagear a Polícia Militar nas sessões das câmaras municipais, devem fazer moções de apoio ao governo estadual e aos deputados, devem fazer, enfim, a defesa institucional da Polícia Militar nas câmaras municipais.

Camilo aconselhou os vereadores a criar frentes parlamentares de segurança nas câmaras municipais para discutir o tema e defender a Polícia Militar. Deu o exemplo da Assembleia Legislativa, onde se fala de Segurança e Polícia Militar todos os dias. As críticas são prontamente rebatidas, de modo a não deixar espaço para os que querem “fazer o nome” em cima da Instituição.

O Cel Telhada lembrou que antigamente o policial militar não podia falar de Política. Hoje, felizmente, não só discute o tema como elege representantes. Ele também alertou para a necessidade de aumentar o contingente, e lembrou aos eleitos que eles nunca devem abandonar os princípios da Instituição. “No parlamento, não podemos esquecer de nossas origens”, frisou. “A Política da Polícia Militar não é vendida, trocada; nós fazemos Política honesta”, lembrou. Os policiais militares eleitos devem posicionar-se sempre ao lado das forças de segurança.

Telhada disse que os eleitos devem saber usar as redes sociais em benefício de seu trabalho e da Polícia Militar. “Divulguem o trabalho de vocês”, alertou. “Divulguem que hoje se ausentaram de suas cidades e estiveram em São Paulo tratando de Segurança Pública”, ensinou.

 

Reajuste

O presidente da CERPM, Cb Wilson, sugeriu ao comandante-geral uma reunião dos eleitos com o governador do Estado. Depois, falou do trabalho da instituição na questão do reajuste salarial e pediu o apoio com o envio de solicitações ao governador para que ele receba a CERPM para tratar do reajuste.